«Eis o Coração que tanto amou os homens, que não poupou nada até esgotar-se e consumir-se, para lhes testemunhar seu amor; e por reconhecimento não recebe da maior parte deles senão ingratidões.»(Sagrado Coração de Jesus a Santa Margarida Maria Alacoque)

segunda-feira, 1 de junho de 2020

JUNHO, MÊS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS

JUNHO, MÊS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS


UM CONVITE


Pax


Caríssimos irmãos e irmãs, seguidores ou visitantes deste blog destinado à devoção ao SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS, convidamos a todos para se unirem a nós nas meditações diárias deste mês em honra do Sacratíssimo Coração de Nosso Salvador. Para tanto disponibilizamos, neste mesmo blog, mais de 60 meditações diárias no marcador Mês do Sagrado Coração de Jesus, listado na coluna lateral à sua esquerda (CLIQUE AQUI).

São duas meditações distintas e publicadas nos anos de 2018 e 2019, uma para cada dia do mês.

Quanto à sua utilidade e proveito para nossas almas, lembro as palavras de Santo Afonso Maria de Ligório quanto aos fins da devoção ao Coração de Jesus*:


A principal, ou antes, a única devoção do cristão deve ser amar a Jesus Cristo. Se as almas não fazem grande progresso na prática das virtudes, e continuam a cair nos mesmos defeitos, e não raro em faltas graves, é porque pouco se aplicam a adquirir o amor a Jesus Cristo, esta cadeia de ouro que une as almas a Deus. Só para conquistar nossos corações é que o Verbo eterno veio a este mundo; outro não é seu desejo. Por isso ele disse: Eu vim trazer fogo sobre a terra, e que desejo, senão que se acenda? (Lc 12, 49). Deus Pai quer que amemos a Jesus Cristo; ele o enviou à terra a fim de ganhar nosso amor, mostrando-nos quanto nos ama, e declara que nos ama a proporção do amor que temos a Jesus Cristo (Jo 16, 27). Ele não nos dá suas graças senão quando lhe pedimos em nome de seu divino Filho: Tudo o que pedirdes a meu Pai em meu nome, ele vos concederá (Jo 16, 23). Enfim, ele não admite à felicidade eterna senão aquele cuja vida é conforme à de Jesus Cristo (Rm 8, 29). Jamais, porém, adquiriremos esta conformidade, e nem sequer a desejaremos, se não nos aplicarmos a considerar o amor que nos tem nosso adorável Salvador.

Como este mesmo fim é que nosso Salvador se dignou revelar à bem-aventurada Margarida Maria que ele queria que seu coração fosse honrado com um culto especial, a fim de que as almas devotas reparassem, por suas piedosas homenagens, as injúrias que este Coração sagrado recebe no Sacramento da Eucaristia. Um dia em que ela estava em oração diante do santo altar, Jesus Cristo lhe fez ver seu Coração num trono de chamas, cercado de espinhos e encimado por uma cruz: Eis aqui, diz ele, o Coração que tanto amou os homens, nada poupou, até se esgotar e consumir para lhes testemunhar seu amor; e em reconhecimento, não recebo da maior parte senão ingratidões pelas suas irreverências, sacrilégios, friezas e desprezos com que me tratam neste Sacramento de amor. Mas, o que ainda mais sinto, é serem corações a mim consagrados que assim praticam.

Ele ordenou-lhe depois que se empregasse com todas as forças em fazer celebrar uma festa particular em honra de seu divino Coração, e isto para três fins: o primeiro, para que os fieis lhe deem ações de graças pelo grande dom que lhes fez na adorável Eucaristia; o segundo, para que as almas fervorosas reparem, por sua afetuosa devoção as irreverências e os desprezos que ele recebeu e recebe neste Sacramento da parte dos pecadores; o terceiro enfim, para que lhe ofereçam, por este meio, compensação pela honra e culto que os homens deixam de lhe dar em muitas igrejas. E ele promete derramar com abundância as riquezas de seu Coração naqueles que lhe derem esta homenagem, não somente no dia da festa, mas ainda em todos os outros dias, quando forem visitá-lo no Sacramento do altar.

Assim, a devoção do Coração de Jesus, não é outra coisa que um exercício de amor para com este amável Salvador.”


Portanto, não tenhamos dúvida que a prática de atos de devoção ao Sagrado Coração de Jesus muitíssimo lhe é agradável, e Ele nos recompensará com seu infinito amor e misericórdia.

Lembramos, ademais, que o mês de Junho é, de fato, muito valioso para nós católicos. Além de o dedicarmos ao Sagrado Coração de Jesus, nele também celebra-se a Festa do Coração Eucarístico de Jesus e de Corpus Christi, bem como grandes Santos, como Santo Antônio de Pádua ou de Lisboa, São João Batista, São Pedro e São Paulo, Apóstolos, dentre outros.

Na já referida coluna lateral à sua esquerda, também é possível acessar-se diversas orações, novenas e devoções, inclusive para este mês (CLIQUE AQUI).

Assim, desejamos a todos um abençoado mês do Sagrado Coração de Jesus. 

Sou todo teu, Maria.





* in, O Sagrado Coração de Jesus Segundo Santo Afonso Maria de Ligório ou Meditações Para o Mês do Sagrado Coração, a Hora Santa e a Primeira Sexta-Feira do Mês”, tradução portuguesa da 83ª edição, por D. Joaquim Silvério de Souza, Quinta Edição/1926, Ratisbona Typographia de Frederico Pustet, Impressor da Santa Sé, pp. 14-16.






Receba o conteúdo deste blog gratuitamente. Cadastre seu e-mail abaixo.





sexta-feira, 29 de maio de 2020

AS PROMESSAS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS – PARTE VI

AS PROMESSAS DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS – PARTE VI

(Em forma de catecismo, com perguntas e repostas)

Sagrado Coração de Jesus (Luigi Galizzi, 1873-1875, Bergamo)
Sagrado Coração de Jesus (Luigi Galizzi - 1873-1875, Bergamo)

EXPOSIÇÃO DAS PROMESSAS DO SAGRADO CORAÇÃO

PROMESSAS FEITAS AOS JUSTOS

A devoção ao Sagrado Coração, tão poderosa na conversão das almas que vivem no pecado ou na tibieza, é sobretudo de uma eficácia soberana na santificação dos justos.

1) Qual é a eficácia da devoção ao Sagrado Coração para conduzir as almas à perfeição?

«Nosso Senhor Jesus Cristo revelou-me, diz Santa Margarida Maria, que é principalmente por meio desta sólida devoção ao seu Coração adorável que ele quer granjear número infinito de servos fieis, de verdadeiros amigos e de filhos reconhecidos.

«Não há caminho mais breve, para chegar à perfeição, do que prestar a este divino Coração todas as homenagens de amor, de honra e de louvor, de que formos capazes. Não conheço na vida espiritual nenhum exercício de devoção que seja mais próprio, para elevar a alma à mais alta perfeição e para lhe fazer gozar as verdadeiras delícias do serviço de Jesus Cristo. Foi o que elevou o Pe. de la Colombière a tão grande perfeição e em tão pouco tempo.

Aqueles que perseverarem em amar e honrar o Sagrado Coração serão colocados bem no íntimo deste divino Coração, que terá tanto cuidado de os aperfeiçoar, quanto eles tiverem em lhe testemunhar o seu amor, imitando as suas virtudes. Se somos covardes, frios, impuros e imperfeitos, não é ele fornalha ardente, onde nós devemos aperfeiçoar e purificar como o ouro no crisol? Ele reparará as imperfeições das nossas ações e santificará as boas.

«Minhas queridas filhas do Sagrado Coração de Jesus, dizia ela às suas noviças, conheceis o que é preciso para serdes grandes santas; espero que o fareis com o auxílio da graça e com a vossa fidelidade. Para isso é necessário pôr toda a confiança no Sagrado Coração de Nosso Senhor, recorrer a ele em todas as necessidades, mostrando-lhe todas as magoas como filho a seu pai, que vos gerou na árvore da Cruz! Sim, eu vo-lo asseguro, a graça da devoção a este divino Coração, que o Senhor vos começou a fazer, vos elevará à alta perfeição, se lhe derdes inteira liberdade, e houver correspondência fiel da vossa parte.

2) Quais são as causas da maravilhosa eficácia da devoção ao Sagrado Coração na santificação das almas?

A eficácia resulta da natureza desta mesma devoção, do guia e do diretor que ela nos dá, dos meios que nos propõe e do fruto que nos oferece. Nela tudo é amor e caridade, quero dizer, tudo é perfeição:

1º. O amor é como que a essência da devoção ao Sagrado Coração.

«É preciso que nos santifiquemos, custe o que custar1, diz Santa Margarida Maria; já que este amável Coração de Jesus é santo, é forçoso que sejamos santos. Mas, para ser santo, basta amar este Santo dos santos, que é todo amor.

Ora, se para ser santo é suficiente amar este amável Coração, quem nos impedirá que o sejamos, se temos corações para amar e corpos para sofrer?

Amemo-lo, pois. Amemo-lo com todas as nossas forças, com todo o nosso poder!

Pudéssemos nós abrasar-nos sem cessar na fornalha ardente do seu puríssimo amor, e logo nos purificaria e santificaria! Para isso sejamos inteiramente d'Ele, sem exceções, porque ele deseja tudo ou nada. E depois de nos termos dado, seja para sempre. Jamais se viu um ardor semelhante àquele que esta devoção espalha nos corações. Deus seja por isso eternamente louvado».

2º. A eficácia da devoção ao Sagrado Coração para conduzir as almas à perfeição, procede em segundo lugar do guia que ela nos dá.

Quem é este diretor incomparável, que não somente nos mostra o caminho da perfeição, mas nele nos guia e opera em nós o bem que nos pede? É o amor divino, ou antes, é o próprio Coração de Jesus.

«O meu divino Mestre, deu-me uma vez esta lição, diz a Bem-aventurada: «Eu sou um santo e sábio diretor, que sabe conduzir as almas sem perigo, quando elas se entregam a mim, esquecendo-se de si mesmas. Devemos, pois, escolher o Sagrado Coração para nosso guia e principal diretor, devemos estar completamente tranquilos depois de nos termos entregado ao seu cuidado, para que seja o nosso diretor. Peçamos-lhe, que nos aconselhe em todas as dificuldades, que nos diga o que quer de nós e nos dê coragem, para o cumprirmos com perfeição».

Quantas vezes nas suas cartas Santa Margarida Maria envia a este divino diretor as almas que solicitaram os seus conselhos! A Irmã de la Barge, que lhe tinha escrito pedindo conselhos de direção, respondia: «Entrego-vos à direção do Sagrado Coração de Nosso Senhor Jesus Cristo, para que ele seja o vosso diretor. Ele sente um singular prazer em ensinar aqueles que desejam aperfeiçoar-se na escola do santo amor. Devemos, pois, considerar o Sagrado Coração de Jesus como o nosso Mestre, que nos ensinará a conhecê-lo e a amá-lo com toda a nossa alma e com todas as nossas forças.

Para este divino diretor poder completar livremente a sua obra nas nossas almas, recomenda a Santa que tenhamos nele plena confiança e que nos entreguemos completamente à sua direção, por mais áspera e difícil que nos pareça. «Ele, diz a serva de Deus, nos santificará a seu modo e não ao nosso», e muitas vezes nos levará por caminhos curtos e cheios de asperezas. Mas, confiança! Esquecimento e aniquilação de nós mesmos! Sobretudo abandono! Abandono! Tais são os conselhos de direção, que se acham nos escritos de Santa Margarida Maria.

«Devemos dar-nos por satisfeitos, entregando a este divino Coração o cuidado de nós mesmos, diz ela, para nos tornarmos dignos de cumprir os seus desígnios. Contanto que Nosso Senhor esteja satisfeito, é quanto basta.

Toda a nossa ocupação deve ser amá-lo, e a nossa atenção não lhe resistir, mas fazer exatamente tudo o que este divino Mestre nos disser que deseja de nós.

Este é o meio de ganharmos o seu Sagrado Coração e de alcançarmos d'EIe todas as graças necessárias à nossa perfeição.

Quando nos entregamos totalmente à amorosa providência do Sagrado e amável Coração de Jesus para nos deixarmos conduzir e governar por ele, quando nos colocamos debaixo de sua proteção adorável, dando-lhe inteira liberdade, ele tem todo o cuidado de nos conceder o que é necessário para a nossa santificação. Este Coração Sagrado derrama abundantemente o tesouro das graças santificantes sobre as almas que se colocam sob a sua direção. Esforcemo-nos por bem o receber e segundo os seus desígnios, e isso basta.

Com a unção da sua caridade e com a suavidade do seu santo amor nos fará andar muito caminho em pouco tempo, sem o advertirmos, a não ser pelos combates que a sua graça travará continuamente com a nossa rebelde e imortificada natureza».

Sim, entreguemo-nos; confiemos nele, esqueçamo-nos de nós e deixemo-lo operar como quiser, porque ele nos ama. Veremos então que empregará todos os meios necessários para a nossa perfeição de tal sorte, que depressa concluirá esta obra, se não pusermos obstáculos aos seus desígnios. A medida que nos esquecermos de nós, terá cuidado particular de nos purificar e santificar e aperfeiçoar à sua vontade. Com as reflexões que fazemos sobre nós impedimos o bem que nos quer fazer. O excessivo cuidado que temos conosco impede o efeito dos seus desígnios, para fazer adiantar a obra da nossa perfeição.

Porque muitas vezes, querendo fazer demais, estragamos tudo, e obrigamo-lo a deixar-nos entregues a nós e a retirar-se irritado conosco».

«Vamos, pois, cheios de fé e de amorosa confiança entregar-nos à mercê da sua Providência, para sermos terreno que ele possa cultivar segundo o seu desejo, e hóstias vivas inteiramente imoladas e santificadas aos seus adoráveis intentos sem resistência da nossa parte, sujeitando-nos humilde e pacificamente à sua santíssima vontade.

Entreguemo-nos ao cuidado da sua amorosa Providência e caminhemos as cegas, sem olhar para traz, nem querer ver o que fazemos, nem se adiantamos. E veremos que ele nos fará adiantar mais em um mês, do que ordinariamente o podemos fazer. Ah! se pudéssemos compreender quanto adiantam as almas chamadas a esta pobreza e abandono de si mesmas, quando são fieis em corresponder-lhe, morrendo a todos os desejos, satisfações, curiosidades, sem pensar em si, para se deixarem guiar por este divino Coração!

«Não posso dizer outra coisa mais, acrescenta a Santa, senão que o aniquilamento de nós mesmos nos elevará à união do nosso Soberano Bem. Esquecendo-nos de nós, possuí-lo-emos; entregando-nos a ele, ele nos possuirá».

3º. A terceira causa da eficácia da devoção ao Sagrado Coração de Jesus na santificação das almas é o meio de perfeição oferecido aos servos deste divino Coração. Podemos, com Santa Margarida Maria, formular assim este meio: Para sermos santos, é preciso amar o Coração de Jesus, vivo na Eucaristia, unir-nos a este divino Coração por meio de todas as obras Eucarísticas, especialmente pela comunhão e pela visita; além disso, é necessário nele e por ele amar a Deus, o próximo e todas as coisas.

«O Sagrado Coração de Nosso Senhor Jesus Cristo, escreve a Santa2, significou-me mais uma vez o grande prazer que tem de ser conhecido, amado e honrado pelas suas criaturas. Sim, digo-o com a maior certeza, se soubessem quanto esta devoção é agradável a este Sagrado Coração e o ardente desejo que tem de ser amado, não havia cristão, por muito pouco que amasse este amável Salvador, que a não praticasse sem demora. Adoremos, pois, e amemos a Deus por meio deste Coração adorável; operemos nele todas as ações, peçamos-lhe que realize tudo em nós e por nós, que nos receba na sua graça, que repare os nossos defeitos e que supra tudo o que nos falta, para lhe sermos agradáveis. Unamo-nos muitas vezes ao que ele opera em nós e por nós».

Felizes das almas que compreendem e põem em prática estas admiráveis lições! Assim não somente correm, mas voam no caminho da perfeição. O Sagrado Coração, consolado pelo seu amor, santifica-as mais e mais. Elas tornar-se-ão perfeitas, animadas da mesma perfeição do Coração de Jesus, que amará nelas e por elas.

4º. O amor divino é finalmente o fruto principal da devoção ao Sagrado Coração; tal é a quarta causa da eficácia maravilhosa desta devoção, para fazer progredir na perfeição. Amai, nos diz Santa Margarida Maria: mas amai, para amardes cada vez mais.

Este amor é como que um buril celeste, que grava pouco a pouco os nossos nomes no Coração de Jesus. Felizes daqueles que, pelo seu amor ao Sagrado Coração, alcançarem que os seus nomes sejam escritos neste verdadeiro livro da vida! Dali jamais serão apagados. Assim seja! Assim seja!



_______Continua…


NOTA: Substituímos a designação da vidente de “Bem-aventurada” por “Santa” Margarida Maria.


Receba o conteúdo deste blog gratuitamente. Cadastre seu e-mail abaixo.


_____________

1 Cartas 49, 54,73, 86, 108, 109. - Avisos 9, 14.

2 Cartas 32, 33, 36, 132. - Avisos 9, 47, 56.



FONTE: livro, em formato PDF: “O Coração de Jesus Segundo a Doutrina da Beata Margarida Maria Alacoque”, por um Oblato de Maria Imaculada, Capelão de Montmartre, Editor Manoel Pedro dos Santos, Lisboa/1907, Sexta Parte – As Promessas do Sagrado Coração, pp. 262-268 – Texto revisto e atualizado, sendo alguns destaques por nós acrescentados.